José Sócrates vai continuar no estabelecimento prisional de Évora nos próximos três meses. O juiz do Tribunal de Instrução Criminal, Carlos Alexandre,  manteve a prisão preventiva, conforme proposta do Ministério Público.

O Ministério Público alterou a proposta de alteração da medida de coacção aplicada a José Sócrates, passando a pedir a permanência de Sócrates no Estabelecimento Prisional de Évora. Sócrates, recorde-se, recusou a pulseira electrónica.

A PGR emitiu o seguinte comunicado:
“Ao abrigo do disposto no art. 86.º, n.º 13, al. b) do Código de Processo Penal, a Procuradoria-Geral da República torna público o seguinte: O Ministério Público, no âmbito do reexame dos pressupostos das medidas de coação, cujo prazo termina hoje, promoveu a alteração da medida aplicada ao arguido José Sócrates. 
À semelhança do que aconteceu recentemente em relação ao arguido Carlos Santos Silva, foi promovida a substituição da prisão preventiva pela obrigação de permanência na habitação com vigilância eletrónica.
O arguido José Sócrates não deu o consentimento à aplicação da vigilância eletrónica, consentimento que, nos termos da lei, é obrigatório.
Sobre o arguido recaem suspeitas da prática dos crimes de corrupção passiva para ato ilícito, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais.
O Ministério Público entende subsistir, nesta fase da investigação, de forma significativa, o perigo de perturbação do inquérito – de perturbação da recolha e da conservação da prova – mantendo-se também, ainda que de forma mais diminuta, o perigo de fuga. Estes perigos poderiam ser acautelados com a substituição da prisão preventiva pelas medidas de coação de obrigação de permanência na habitação somada à proibição de contactos com os outros intervenientes processuais, desde que o respetivo cumprimento fosse fiscalizado através de vigilância eletrónica.Não havendo consentimento à utilização deste meio de controlo à distância, considerou o Ministério Público que a substituição da prisão preventiva ficou inviabilizada, por entender que a medida proposta era a única que acautelava os perigos acima referidos. O inquérito encontra-se em segredo de justiça”.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Actual

Veja também

A2 cortada devido a incêndio

Um incêndio de origem agrícola, que deflagrou hoje em Messejana, em Aljustrel, mobiliza ma…