A situação da saúde no Distrito de Portalegre merece “profunda preocupação” e uma “nova estratégia política para ultrapassar os constrangimentos”, num cenário de dificuldade de acesso da população aos cuidados de saúde”.

A conclusão é dos deputados socialistas que integraram uma delegação da Comissão Parlamentar de Saúde que durante dois dias visitou diversos serviços – Centro de Saúde de Alter do Chão, Hospital Dr. José Maria Grande e Hospital de Santa Luzia de Elvas – e manteve reuniões com responsáveis da Administração Regional de Saúde do Alentejo, Unidade Local de Saúde do Norte-Alentejano, Câmaras Municipais, Ordem dos Médicos, Ordem dos Enfermeiros e sindicatos.

Sandra Cardoso, deputada eleita pelo círculo de Portalegre, aponta como causas as opções políticas deste Governo, a ausência de reformas, os quatro anos de austeridade e os sucessivos cortes degradaram a resposta dos serviços de saúde no Distrito.

No comunicado divulgado pelo Grupo Parlamentar do PS é referido que “a falta de recursos humanos é um factor de enorme inquietação, principalmente médicos, enfermeiros, assistentes operacionais e técnicos”. Consideram os socialistas que “no que respeita aos recursos médicos, a situação é dramática e, nalguns casos, absolutamente insustentável”.

Também o encerramento do Laboratório de Saúde Pública em Portalegre mereceu nota negativa dos socialistas: “O governo promove o encerramento de mais um serviço público em Portalegre e ataca, sem qualquer fundamento, a saúde pública do distrito, que deixa de contar com os serviços de uma entidade oficial, de referência e credível que assegura a qualidade da água para consumo humano, assim como das piscinas e zonas balneares.”

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Uncategorized

Veja também

Campomaiorenses celebram a liberdade

O Município de Campo Maior tem vindo a comemorar o 50.º aniversário do 25 de Abril de 1974…