A Assembleia-Geral da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo reunida no passado dia 30 de novembro em Santiago do Cacém aprovou por unanimidade a proposta de plano de atividades e orçamento para o próximo ano.
A ERT Alentejo e Ribatejo propõe-se acelerar a transição digital das empresas no caminho para a sua transformação e maior competitividade “Vamos reforçar a linha da certificação das empresas para a sustentabilidade e digitalização e começar a trabalhar com destinos locais, entregando-lhes guidance e competências. Mértola e Porto Covo são os primeiros eleitos”, garantiu o presidente da região de turismo do Alentejo e Ribatejo, José Santos, que se encontra em funções há pouco mais de quatro meses.
Mas as novidades não se ficam por aqui, já que pela primeira vez a ERT Alentejo e Ribatejo propõe-se atuar no eixo da valorização dos recursos humanos e na captação de pessoas para a força de trabalho do setor. As Bolsas de Empregabilidade e o programa de atração de talentos são as primeiras medidas a avançar, de acordo com o previsto no plano de atividades.
No que respeita à estruturação da oferta, os produtos principais que vão ser trabalhados são o Enoturismo e o Literário. “Mas isto não significa que estejamos desatentos a outras motivações muito importantes para os nossos dois destinos (Alentejo e Ribatejo), como são as ofertas outdoor que incluem o Cycling, as Caminhadas, os Caminhos de Santiago e o Autocaravanismo”, refere José Santos. “Vamos também começar a olhar para outras realidades emergentes, como são os casos do Turismo Mineiro, os Congressos e Incentivos e o Golfe”, sublinhou o presidente da entidade regional de turismo.
Este responsável salienta ainda a aposta em vários produtos específicos, como a Wine Route 118, no Ribatejo – muito associado em 2024 à Capital do Vinho – a valorização das Fortalezas de Interior, cuja 1ª fase irá ser candidatada ao PR Alentejo 2030 ou o programa de atração de nómadas digitais comum a todo o território. Sobre este último projeto, o presidente da ERT Alentejo e Ribatejo sublinha que “estamos já em articulação com as 5 Comunidades Intermunicipais a estudar a viabilidade de criação de outros tantos hubs sub-regionais que possam servir de impulsionadores a este segmento específico de mercado que continua a crescer em todo o mundo”, informou.
José Santos aponta ainda baterias à candidatura do Baixo Alentejo à Cidade Europeia do Vinho em 2026, à elaboração do Plano de Acolhimento e Hospitalidade no âmbito da Capital Europeia da Cultura, que se estenderá a toda a região e à execução de programas de valorização turística da Serra de Ossa e do Parque Natural da Serra de São Mamede. No âmbito da comunicação, “vamos avançar com um plano específico de promoção para o Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, em conjunto com o Algarve e estamos a trabalhar com as Câmaras Municipais do Alentejo Litoral e os empresários no desenho de várias ações para aumentar a notoriedade da costa alentejana”, acrescentou.
A Entidade Regional de Turismo avançará também em 2024 com novas campanhas para o mercado nacional e pela primeira vez direcionará um plano específico para o território transfronteiriço com Espanha, com o qual, acredita, se poderá mitigar parte da sazonalidade dos dois destinos. Neste sentido “a conclusão da ligação ferroviária Évora-Elvas no 2º semestre de 2024 e a entrada em operação de uma linha de passageiros até ao Caia será uma oportunidade que não se poderá desperdiçar”, afirma o responsável do turismo do Alentejo e Ribatejo.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Olivença: Empresa espanhola vai investir em centro de produção de amêndoas

O grupo espanhol Almendras Llopis vendeu 450 hectares de terrenos agrícolas no Baixo Alent…