A PSP deteve 538 pessoas e apreendeu mais de 15.500 doses individuais de estupefacientes e 49 armas de fogo, na operação Carnaval em Segurança 2024, que decorreu entre 5 e 13 de Fevereiro, segundo dados hoje divulgados.

Das detenções efectuadas, a PSP destaca 151 detenções por crimes rodoviários, nomeadamente 84 por condução sob o efeito do álcool e 67 por falta de habilitação legal para conduzir.

“Foram detidos 51 suspeitos por tráfico de estupefacientes, tendo sido apreendidas mais de 15.503 doses individuais”, adianta em comunicado a Direcção Nacional da PSP. De acordo com os dados, foram ainda realizadas 50 detenções por crimes contra a propriedade e foi dado cumprimento a 173 mandados de detenção judiciais.

No período da operação Carnaval em Segurança 2024, foram também apreendidas 49 armas de fogo e 31 armas brancas, quer como medida cautelar, quer no seguimento das 16 detenções efectuadas por posse de armas proibidas.

Relativamente à fiscalização rodoviária, desde o início da operação a PSP fiscalizou em todo o país 14.743 condutores e controlou por radar 59.436 viaturas.

No total, foram registadas 3.328 contraordenações, das quais 710 por excesso de velocidade, 100 por condução sob o efeito do álcool, 298 por falta de inspecção periódica obrigatória, 97 por falta de seguro de responsabilidade civil e 51 por uso do telemóvel durante a condução, de acordo com os dados da PSP.

Relativamente à sinistralidade rodoviária, a PSP registou 1.289 acidentes, dos quais resultaram 463 feridos leves, cinco feridos graves e duas vítimas mortais.

A PSP salienta que “a condução em excesso de velocidade, uma das principais causas da sinistralidade rodoviária, representa mais de 21% do total das infrações verificadas”.

A par disso, cerca de 28% das detenções efetuadas são referentes a crimes rodoviários.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Actual

Veja também

Portugal vai acabar por ter casos de dengue, mas vai demorar

já houve casos em Espanha - 10 casos entre 2016 a 2020 -, mas até ao momento não houve cas…