Os moradores e proprietários de casas e terrenos na aldeia de Pisão, concelho de Crato, estão a ser chamados a participar num inquérito sobre o futuro da nova povoação, a edificar no âmbito da construção da barragem.
António Farinha, da Comissão da Pró-Associação de Residentes e Proprietários do Pisão, aldeia que está previsto ser submersa com a construção do Empreendimento de Aproveitamento Hidráulico de Fins Múltiplos (EAHFM) do Crato, explicou hoje à agência Lusa que este é o segundo inquérito à população desde que o projeto arrancou.
O primeiro inquérito, lembrou, decorreu em 2021 e tinha como objetivos “perceber como as pessoas queriam ser realojadas” e “o que gostariam que acontecesse”, nomeadamente “onde gostariam de ir viver, o que gostavam mais na aldeia” ou o que queriam “que a nova aldeia pudesse oferecer”.
Este novo inquérito, agora, “repete um pouco as perguntas anteriores e acrescenta novas perguntas, mais precisas, mais orientadas” para aquilo as pessoas querem que a nova aldeia tenha, explicou António Farinha.
O estudo, efetuado por uma empresa especializada e promovido pela Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo (CIMAA), responsável pela execução do projeto de construção da também chamada Barragem do Pisão, quer que a população se pronuncie sobre quais “os equipamentos coletivos ou o tipo de casas” que ambiciona ter na nova localidade.
E quer “perceber um bocadinho o que [os habitantes] gostavam de manter e que tipo de mudanças gostariam de ter na nova aldeia”, apontou o porta-voz da Comissão da Pró-Associação de Residentes e Proprietários do Pisão.
O inquérito deverá ficar concluído “no espaço de três a quatro semanas”, estando, nesta altura, a decorrer os agendamentos com os moradores e proprietários para que o trabalho possa ser efetuado no terreno.
A iniciativa surge na sequência de uma reunião que decorreu, no sábado passado, na aldeia de Pisão, juntando representantes da CIMAA, da Câmara de Crato e da Comissão da Pró-Associação de Residentes e Proprietários do Pisão.
“Esta reunião foi muito fomentada por nós e teve duas componentes”, uma delas “a do inquérito e explicar às pessoas o que é o projeto global, o que vai ser a barragem, as valências que vai ter, algumas curiosidades”, indicou António Farinha.
A segunda parte da reunião, segundo o responsável, ficou marcada pelas explicações em relação “à parte logística do questionário”, nomeadamente como os moradores e proprietários vão ser contactados.
“Queríamos conhecer o inquérito porque, na nossa perspetiva, é o momento para as pessoas se poderem pronunciar sobre aquilo que têm e como é que gostariam de ver isso projetado na nova aldeia”, disse.
O EAHFM do Crato envolve um investimento total superior a 200 milhões de euros, dos quais mais de 141 milhões financiados pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).
O projeto inclui ainda a construção de uma central fotovoltaica flutuante, de 150 megawatts (MW), cujo investimento, no valor de cerca de 51 milhões de euros, não está inscrito no PRR.
Entre outras componentes, o projeto contempla, além da barragem e da central fotovoltaica, uma central mini-hídrica e canais para regadio agrícola e sistema de abastecimento público de água.
A barragem vai permitir regar cerca de 5.500 hectares e, segundo o cronograma submetido pela CIMAA à Comissão Europeia, as obras de construção deverão estar terminadas no final de 2026.
A albufeira vai surgir numa área de 10.000 hectares, ficando submersa a aldeia de Pisão, que atualmente conta com cerca de 70 moradores e 110 casas.
A albufeira, uma reivindicação histórica da região, vai também garantir o abastecimento às populações dos concelhos de Alter do Chão, Avis, Crato, Fronteira, Gavião, Nisa, Ponte de Sor e Sousel, num total de cerca de 55 mil pessoas.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Portugal vai acabar por ter casos de dengue, mas vai demorar

já houve casos em Espanha - 10 casos entre 2016 a 2020 -, mas até ao momento não houve cas…