A direção de “O Elvas” Clube Alentejano de Desportos e da SAD, a Polícia Segurança Pública e a Câmara Municipal de Elvas reuniram, na manhã desta quarta-feira, para analisar as questões levantadas no âmbito do último jogo do clube azul e ouro, no Campo Patalino.

Após o encontro, em declarações à Comunicação Social, o presidente da Câmara Municipal de Elvas, comendador José Rondão Almeida, explicou que se percebeu “que se trataram de procedimentos que tiveram que tomar, para tentar eliminar algumas situações. Uma vez que o bar vendia produtos que eram proibidos à venda num campo de futebol, nomeadamente álcool”.

Adiantou o presidente que o comissário da PSP referiu “que o mesmo já tinha sido avisado, mas continuou a fazê-lo e tiveram um certo receio em mandar os agentes normais para o campo, para o encerramento do bar”, acrescentando que, “temendo que esta situação pudesse resultar num pequeno conflito, porque poderiam estar ali 200 ou 300 pessoas e chegar dois agentes da autoridade para encerrar o bar, poderia criar algum momento de instabilidade, isso levou a PSP a tomar a decisão de reforçar os meios naquele dia e fechar o bar”.

Rondão Almeida, mostrou-se ainda satisfeito, por conhecer as razões da PSP e por, outro lado, por verificar estarmos perante uma direção que quer puxar pelo futebol e elevar o nome da cidade. Conseguem-no fazer não só com os resultados desportivos, mas com tudo o que se passa dentro do recinto, uma vez que estamos a trabalhar com uma escola de formação e mais tarde perspetivar chegar a altas competições. É bom que tenhamos um grupo de adeptos que saibam estar, com educação suficiente para não ofender nada nem ninguém, até porque estas situações trazem responsabilidade também para os dirigentes do clube e lesam o bom nome da cidade”.

Concluiu afirmando que “como responsável político por este concelho, apraz-me dizer que farei tudo o que está ao meu alcance para que o bom nome de “O Elvas” esteja na primeira linha e acima dele o bom nome de Elvas”.

O presidente do clube, Hugo Mimoso, explicou o ocorrido e lamentou “um conjunto de comentários que vieram inflamar as redes sociais, muitos deles despropositados”, salientando que “ficou claro que tentamos internamente que não haja violência e problemas graves no estádio”.

Assim, estamos a “tentar sensibilizar as pessoas para que deixem de haver estes problemas, sabemos que é um processo que vai levar algum tempo, queremos melhorar o ambiente, que seja um clima de festa e o desporto é isso mesmo”.

O presidente da SAD, Vicenzo Caci, adiantou “estar muito feliz de se encontrar nesta cidade maravilhosa, de desporto, de paixão, de amor pela cultura positiva do desporto. Assistimos a situações que não são agradáveis, mas isto é o futebol, e temos que condenar todo o tipo de violência, de maus costumes”.

O dirigente adiantou que pretendem “iniciar um processo de educação na nossa academia, estamos aqui para investir e investir na educação do futuro, iniciando pelas crianças e pelos pais, e para isso temos projetos e ideias que iremos implementar. Desejamos desenvolver um projeto de desporto, de respeito, de cultura, que compreenda tudo aquilo que é o património da cidade de Elvas, turismo, história, cultura, paixão e também a gastronomia, que é maravilhosa”, concluiu.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

CAD IX “O Elvas” é bicampeão na Bélgica

O CAD IX “O Elvas”, de Bruxelas, sagrou-se, no passado domingo, dia 21 de Abril, bicampeão…